HISTÓRIA

HISTÓRIA

El Rocha: da garagem da família Takara à cena independente da música brasileira

Criado despretensiosamente na zona oeste de São Paulo, o estúdio que hoje é um personagem quase mitológico da música brasileira foi concebido como um projeto familiar. Claudio Takara, pai de Daniel Ganjaman, Fernando Sanches e Maurício Takara, idealizou o estúdio para que os “meninos” tivessem um espaço para ensaiar suas próprias bandas.

“Vamos alugar uma garagem aí e levar tudo o que a gente tem”, Claudio Takara

Foi a partir dessa ideia que o El Rocha ganhou vida. Vida que parecia ter sido criada para o sucesso – meio humilde, despojado, mas definitivamente brilhante. Toda a sonoridade do El Rocha seria ouvida nos quatro cantos do país e para além do atlântico.
No mesmo dia em que se instalaram, em 1997, o sonho de fazer música já bateu na porta. “A coisa pegou de tal maneira que no primeiro dia a gente terminou de instalar as coisas e já tinha banda entrando pra gravar”, lembra Claudio.
Daí por diante o negócio deslanchou. A dedicação partiu da era analógica e está até hoje presente no mundo digital. O El Rocha vivenciou as principais transformações tecnológicas e musicais brasileiras. Em nenhum momento deixou de produzir o que os três irmãos Takara sempre amaram fazer: música.

Os irmãos Takara

Daniel Ganjaman

Daniel Ganjaman (Planet Hemp, Sabotage, Criolo)

Fernando Sanches

Fernando Sanches (CPM22, Hateen, O Inimigo)

Maurício Takara

Maurício Takara (Hurtmold, São Paulo Underground, Baobá Stereo Club)

Com uma diferença de cerca de dois anos de idade, Daniel, Fernando e Maurício estão ligados à música desde a infância.
Daniel Ganjaman, o mais velho, assim que terminou o ensino médio se mudou para um quarto ao lado do estúdio. Não demorou para que seu trabalho despontasse na música. Atualmente um dos produtores mais requisitados no país, Daniel já assinou sons do rap ao rock, como Racionais MCs, Sabotage, Forgotten Boys, Otto, Ratos de Porão, Nação Zumbi, e o mais recente sucesso, Criolo.

“A gente não tem nenhum luxo, mas pode abrigar qualquer tipo de trabalho. O estúdio é o que une a nossa família”, Daniel Ganjaman

Engenheiro de som, Fernando Sanches se especializou nas necessidades técnicas do estúdio. É responsável pela sonoridade do El Rocha, passando por todas as etapas do nascimento de um disco: produz, grava, mixa e masteriza.
Como músico, sempre esteve mais ligado ao cenário hardcore nacional. Durante seis anos (2005-2011) foi baixista do CPM 22, e recentemente em 2016 retornou a banda. Também toca guitarra na banda O Inimigo. Considerado um dos grandes nomes brasileiros do estilo, já fez parte das banda Dance of Days e Hateen – sem falar nas inúmeras bandas que produziu na cena hardcore.

“O estúdio é uma puta realização pra mim”, 
Fernando Sanches.

O talentoso caçula mostrou seu dom e proximidade com a arte do som desde cedo. Violão e guitarra faziam parte da rotina do garoto desde os 7 anos. Com 10 anos, Maurício Takara focou principalmente no estudo de bateria. Antes mesmo de se “graduar como adolescente” já acompanhava os irmãos em shows.
Takara acompanhou nomes como Otto, Xis, Instituto, e atualmente se destaca nos projetos instrumentais Hurtmold, Baobá Stereo Club, Black Cube SP e São Paulo Underground.

“O estúdio é um trabalho de tempo integral, e a música pra mim sempre foi uma coisa de família”, 
Maurício Takara.

Toda essa veia artística tem raízes muito bem definidas. Desde cedo o trio de irmãos ouvia com atenção às influências dos pais. Do lado de Cláudio, o rock nas vozes de Jimmy Hendrix, Janis Joplin e Pink Floyd, do lado da mãe, dona Zenilda, o brasilidade de Elis Regina, Milton Nascimento e Os Mutantes. A mistura certamente contribuiu ao que hoje é um dos estúdios mais importantes do Brasil.

El Rocha?

O nome do estúdio vem de uma gíria dos anos 90: “ser rocha era sinônimo de ponta firme, de legal”, conta Takara. O termo ganhou duas letras a mais por conta de um amigo numerologista que aconselhou o acréscimo para evitar más vibrações. Foi Ganjaman quem sugeriu El Rocha, “épico como uma banda punk”, ressalta Claudio.

Reconhecimento

O El Rocha tem seu lugar garantido no Brasil e mundo afora. Já recebeu diversos artistas de relevância mundial como: Tony Allen, Rob Mazurek, Naná Vasconcelos, entre outros…
Victor Rice, músico e engenheiro nova-iorquino, finalizou seu segundo álbum, “In America”, iniciado em Nova York, mixando em conjunto com Fernando Sanches no El Rocha. Para Rice, esse foi o seu trabalho mais significante e mais importante.

“Eu espero que eles vivam disso porque é muito foda”, Victor Rice

Criolo estava prestes a abandonar a música quando a vida o apresentou aos irmãos Takara. “Eu me deparei com uma família que eu me identifiquei no primeiro momento que eu os conheci. Pessoas extremamente humildes, extremamente inteligentes, que sabiam bem o que estavam fazendo”, disse.
Foi então que gravou “Nó na orelha” e vislumbrou o reconhecimento de suas composições, dando origem ao “Convoque Seu Buda”, e mais recentemente “Espiral de Ilusão”, todos gravados no El Rocha.

“O que importa é a essência das pessoas que ali estão, isso faz diferença e fica impresso na música. Consolidar os projetos, essa é a linda e maravilhosa capacidade do El Rocha”, Criolo